textos | Blog da Anette

Archive | textos

RSS feed for this section

Presentinhos do meu jardim

lagartinha verde - linda 025

 Tem morador novo no meu jardim: uma lagartinha verde, linda! Escolheu as folhas da goiabeira para servir de banquete antes virar casulo e ficar pronta para ganhar asinhas de borboleta.

Acho que aprendi a lição de Mário Quintana há muito tempo” O segredo é não correr atrás das borboletas. É cuidar do jardim para que elas venham até você “. Meu jardim é meu mundo.

Bom final de semana!!!

Abóboras – sempre !!!!

aboboras_gigantes_3__

Bem eu gostaria de colher uma abóbora deste tamanho. O máximo que consegui foi em torno de 10  ou 12 kg. Vou continuar tentando, agora, sem o meu parceiro de plantio. Mas aprendi direitinho.

“  Um agricultor de Tunápolis, no Oeste catarinense, colheu uma abóbora de 286 quilos, que será exibida em uma feira nesta quarta (29). Antonio Luiz Theisen havia apostado com amigos produtores que conseguiria plantar uma hortaliça que chegasse a 200 quilos. Segundo a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), o peso médio de uma abóbora é de 20 quilos.

Orgulhoso da hortaliça, o agricultor mora na localidade de Linha Fátima. Com o feito, os oito agricultores que participaram da brincadeira vão ter que pagar cervejas a Antonio. Nesta quarta (29), ele tenta outra premiação – de maior abóbora em uma feira de Pinhalzinho, também Oeste do estado.

Antonio Luiz contou que a hortaliça de 286 quilos, conforme pesada na balança que tem na propriedade, foi colhida na segunda-feira (27). O processo de plantio começou em agosto de 2013. Em 1º de dezembro, a abóbora tinha cerca de um quilo. Ela é fruto das sementes importadas dos Estados Unidos.

Para produzir a hortaliça, ele passou uma receita: boa semente, a correção da acidez e compactação do solo e “cuidar cada dia e cada noite”. Esta não é a primeira vez que o agricultor produz abóboras fora das dimensões normais. Já no ano passado, colheu uma de 128 quilos. Antonio contou que a feira foi um incentivo para começar o que chamou de hobbie. Desde 2008, ele tem alguma abóbora entre as três maiores do ano na competição.

Dimensões normais
De acordo com a Epagri, uma abóbora dessas medidas não é normal. Porém, com “uma boa adubação, semente de qualidade e água, de irrigação ou chuva, à vontade, a hortaliça pode crescer”, afirmou o técnico da entidade Valdir Cembranel. Ele explicou que o peso médio de uma abóbora é entre 18 a 22 quilos.”

Fonte: G1

Segredinhos do meu jardim

segredinhos do jardim - cookies mãe terra 001

Meu mundo é o meu jardim.  Passo horas admirando a discreta desarrumação dos trevos, a resistência das tiriricas , dos carrapichos e de outras tantas  plantinhas vira latas que ninguém dá valor, mas que cativam o meu olhar. A maioria não tem nome ou se tem , eu desconheço. Vítimas de bullying botânico, não tem direito a um vaso bonito,  um canteirinho especial, nem lugar de destaque nos bouquets. Adubo ? Nem pensar !!! Continue a ler →

Presentinhos do meu jardim

filé de cabrinha 006

Dezembro foi um período de muita, muita chuva no Espírito Santo. Pessoas sofreram prejuízos de toda sorte. Entretanto, desde sempre, o ciclo da vida se refaz, a natureza segue seu curso e reforça a sabedoria popular: “ Depois da tempestade vem a bonança “.

O meu jardim virou um lamaçal, a grama encharcada criou limo. Algumas plantinhas não resistiram, melaram e morreram. Confesso que andei meio desanimada em recuperar os estragos causados pela chuvarada.

Ainda pouco, no final da tarde, descobri que o pé morangos havia “ ressuscitado”. Melhor ainda, já mostrava, orgulhoso, flores e um tímido moranguinho verde. Lindo, não?

Um presentinho do meu jardim que eu divido com você.

Bom final de semana!!!

 

Casa da Anette

gazeta 004Ano Novo é sempre assim. Uma vontade de renovar a vida, o cabelo, a casa e já que a faxina inevitável – melhor começar pela cozinha.

Dezenas de gavetas e coisas que vão acumulando-se o ano inteiro. Perfeito para quem gosta de tralhas. Abridores, moedores – de pimenta, de noz moscada, de açúcar, medidores sem fim, raladores, faquinha para retirar caroço de maçã, colheres de pau, de silicone. Colherinhas de café faltando e outras sobrando. Tampas sem potes – potes sem tampas. Cadê as forminhas de coração?  Sumiram?  Prá que tanta mantegueira? Tanta concha? Panelas, de todos os tamanhos, amassadas, sem tampas, sem cabo, novas e nunca utilizadas. Facas:1000, livros: 3000!! Continue a ler →

La Befana

befana 008

No dia 6 de janeiro, as crianças italianas esperam a Befana… mas, quem é a Befana? La Befana, é um personagem místico com aspecto de uma velhinha que, na noite de 5 e 6 de janeiro, coloca doces nas meias das crianças que se comportaram bem e para quem aprontou ela deixa um carvão!!! A palavra “Befana” deriva do grego “epifania” que quer dizer aparições, manifestações. Continue a ler →

Comida

comida

Eu gosto de comer. Talvez seja a coisa que eu mais goste de fazer na vida. Todo mundo precisa comer e isso eu já acho bem democrático. Cada um gosta de uma coisa diferente e tem percepções diferentes em relação aos sabores, o que já torna qualquer comida muito interessante. E comer te coloca em contato direto com o lugar onde você está, o que é bem instigante.

Eu adoro viajar. Talvez seja a segunda coisa que eu mais goste de fazer na vida. Comer durante uma viagem então, é pra mim um acontecimento. É uma atração turística. Coliseu, Muralha da China, Pirâmides e um tutu à mineira em Belo Horizonte. Pra mim, é tudo a mesma coisa.

E quando eu digo comer, não é ir a um restaurante chique e importado. É ir onde a comida é mais gostosa. Na casa da minha mãe ou na Famiglia Mancini. No dogão do estádio ou naquele restaurante que serve leitão lá em Portugal. Comer envolve todos os sentidos. Se você é dos meus, sabe só pelo cheirinho vindo da área de serviço o que o seu vizinho tá preparando pro jantar. Consegue dizer que aquela coxinha da padoca é perfeita só de olhar ela deitadinha ali no papel toalha. Sabe que aquela fatia de bolo vale a pena desde o momento em que você pegou nela com a mão. Se você já foi a uma feira, sabe que aquele barulhinho da fritura do pastel é impagável. E, assim que você coloca uma comida na boca, não tem erro: ou é boa, ou não é. E quando é… Ah… E eu gosto de coletar dicas de restaurantes pelo Brasil e pelo mundo com conhecidos. Tento testar todos.

Todo mundo tem um restaurante que vai lembrar pelo resto da vida. E comida boa a gente não lembra, a gente descreve em detalhes pra pessoa que estiver ao lado. Ninguém come um polvo com arroz de brócolis inesquecível. Você come um polvo grelhado no azeite, puxado no alho e na manteiga até ele ficar tostadinho e depois você joga um limãozinho por cima pra acompanhar aquele arroz soltinho e verdinho de um brócolis que derrete na boca. Isso é um polvo com arroz de brócolis memorável.

Outra forma de descrever uma comida deliciosa é o adjetivo ser algum parente da sua família. Por exemplo: a farofa da minha mãe. Se é da sua mãe, eu não tenho a menor dúvida de que ela é a melhor farofa do mundo. O coquetel de camarão da Tia Dirce. Imbatível. O frango com quiabo do meu padrasto. Perfeito. Você sabe quando alguém não gostou muito do prato se quando você pergunta: gostou? A pessoa responde: gostei. Não gostou. Se tivesse gostado respondia: muito! Quem come sabe. Muito – é porque é muito. Gostei – é porque é o que tinha. Esse natal eu vou passar longe da minha família. Uma pena saber que perderei todas aquelas comidas maravilhosas que as minhas tias fazem. Mas com certeza alguém lá vai ficar feliz com isso. Porque vai sobrar mais! Bem mais, porque eu como. Eu gosto de comer. Muito.   [email protected]

Foto: Sweetpolita